sábado, 4 de fevereiro de 2017

Utilizadores acusam Apple de provocar falha do FaceTime para forçar atualização

A Apple está a braços com uma nova ação judicial. A empresa é acusada de ter inviabilizado a utilização do FaceTime propositadamente, para obrigar os utilizadores a migrarem para a nova versão do sistema operativo.




Em questão está o facto de os utilizadores de equipamentos com uma versão mais antiga do sistema operativo terem deixado de conseguir usar o serviço de videochamada do iOS, depois de lançada a versão 7 do sistema operativo. 
Na queixa apresentada em tribunal, acusa-se a empresa de ter provocado o bloqueio do serviço por questões económicos. E a justificação vem de um processo judicial anterior em que a empresa perdeu. O caso em questão opunha a fabricante à VirnetX, que acusava a Apple de ter infringido uma patente com a tecnologia usada para ligar os utilizadores do FaceTime durante uma chamada de vídeo. 
A Apple perdeu o caso, pagou 302,4 milhões de dólares de indemnização à empresa e viu-se forçada a deixar de usar a tecnologia peer-to-peer a que recorria até então. Depois disso passou a recorrer aos servidores da Akamai, uma troca que encareceu muito o processo e alegadamente foi por isso que desencadeou problemas na utilização do FaceTime, que tinham como única correção possível a atualização do sistema operativo para a versão 7. 
Nesta versão do iOS, a fabricante já integra uma nova tecnologia de gestão das chamadas vídeo, que a deixa livre do recurso aos servidores da Akamai, que só entre abril e setembro de 2013 lhe custaram 50 milhões de dólares, algo que não conseguiu resolver nas versões mais antigas do software.

A migração forçada terá atingido utilizadores do iPhone 4 e iPhone 4S, muitos deles sem intenção de fazer uma atualização que tornaria a utilização do smartphone mais difícil. As acusações à dona do iPhone tomaram a forma de ação popular, pelo que os custos associados a uma possível indemnização, se perder, podem ser elevados.

Noticia By: http://tek.sapo.pt/noticias/negocios/artigo/utilizadores_acusam_apple_de_provocar_problemas_no_facetime_para_forcar_atualiza-50522csk.html

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Pornhub cai 4% nas audiências devido a estreia de Guerra dos Tronos

No domingo passado, as pesquisas relacionadas com a Guerra dos Tronos registou um crescimento de 370% no Pornhub.



O que é que o Pornhub e a Guerra dos Tronos (GoT, em inglês) têm em comum? Aparentemente, têm pelo menos 240 mil espetadores norte-americanos. O famoso site de pornografia decidiu lançar mão aos números e apurou ter perdido 4% de audiências durante a hora que anterior e a hora seguinte à estreia da sexta série da GoT, no canal da HBO, dos EUA. Por dia, o Pornhub costuma ter 60 milhões de visitas.

Os cálculos apenas têm em conta a estreia levada a cabo, no domingo passado, nos EUA – e por isso é de prever que o Pornhub venha a registar perdas nas audiências, à medida que a GoT vai estreando nas diferentes geografias (em Portugal, a sexta série estreou na passada segunda-feira).

A GoT desvia espetadores do PornHub, mas também contribui para a fidelização de audiências no site de pornografia. À medida que a data de regresso da GoT se aproximava, a procura por termos relacionados com a série da HBO foi aumentando. Mais do que manter um silêncio ressentido contra a migração de espetadores, a Pornhub prefere reagir com alguma bonomia quanto à perda de audiências momentânea. «Centenas de milhares de pessoas da América decidiram suspender o seu visionamento habitual de pornografia de domingo à noite para ver TV (e a GoT), refere o comunicado da Pornhub.

Que não restem dúvidas: a GoT já entrou no imaginário de muitos dos espetadores de GoT. No dia 24 de abril, o dia da estreia, as pesquisas relacionadas com GoT registaram um súbito aumento de 370%.

Em 2015, já havia sido descortinada uma tendência similar, mas com números menos acentuados: no dia de estreia da quinta série a pesquisa de termos e cenas relacionados com a GoT cresceu 199%; e no episódio final, esse tipo de pesquisas apresentou um crescimento de 212%. Há ainda mais uma tendência a ter em conta: durante cada exibição dominical entre a estreia e o episódio final, as pesquisas por assuntos relacionados com a GoT registaram aumentos entre 51% e 135% no PornHub - números que ficam muito acima das pesquisas registadas nos dias em que não há transmissão de GoT na TV. “Cenas de sexo”; “paródia” (no sentido de transposição de um enredo ou de personagens para diferentes ambientes); “porno”; e as personagens Missandei e Daenerys figuram entre os temas relacionados com a GoT que são mais procurados no PornHub.


Apesar de claramente figurar como um fenómeno de popularidade que influencia o comportamento dos espetadores, a GoT ainda está longe chegar ao topo dos fetiches e paródias preferidas dos norte-americanos. No PornHub, a série "Os Vingadores " lidera por larga margem as paródias mais populares.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Indústria de E-Sports vale 450 milhões de dólares

Os E-Sports já são uma das grandes tendências tecnológicas. Uma consultora estima que este setor já vale 450 milhões de dólares e abrange uma audiência diversa.





O estudo da Pricewaterhouse Coopers mostra que o consumidor médio de e-sports norte-americano tem 28 anos, é neutro de género e de qualquer raça. Dos 700 inquiridos, 22% das mulheres e 18% dos homens revelaram participar em e-sports, seja como jogador ou como espetador, noticia a Cnet.

Em termos de raças, dos que reconheceram os e-sports, 14% eram brancos, 14% negros, 18% asiáticos e 23% latinos. O crescimento deste setor está a ser feito de forma sustentada, alargando-se a vários tipos de audiência.

A PwC estima que em 2016 o segmento de e-sports valha 463 milhões de dólares, mais 43% do que foi registado em 2015.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

BMW e Daimler abandonam projeto para o Apple Car

Há rumores de que a Apple esteja a desenvolver um carro elétrico ou semi-autónomo, em parceria com alguns fabricantes automóveis. Agora, a BMW e a Daimler terão abandonado o projeto.



A Apple reuniu alguns fabricantes automóveis para desenvolver o seu próprio carro, naquele que é conhecido por Project Titan. Até agora, este projeto não passou de rumores, sem nenhuma confirmação oficial. A publicação alemã Handelsblatt noticia agora que a BMW e a Daimler já abandonaram a iniciativa. As marcas automóveis pretendem mais controlo sobre o projeto e proteger os dados dos utilizadores. A Apple, por sua vez, pretende que o carro seja construído com o software em cloud que já tem e os fabricantes automóveis dão prioridade à proteção de dados dos clientes.


Sabe-se que a Magna continua envolvida no projeto e estima-se que a Apple esteja a trabalhar a partir de um laboratório secreto em Berlim, com uma equipa de 15 a 20 engenheiros, recrutados a empresas do setor automóvel.


sexta-feira, 8 de abril de 2016

ASUS LANÇA TRÊS NOVAS MOTHERBOARDS PARA WORKSTATIONS

A Asus lançou três novas motherboards para workstations preparadas para os mais recentes processadores Intel Xeon E3-1200 v5. Baseadas no chipset Intel C236, as motherboards P10S WS ( ATX) e P10S-M WS (mATX) suportam tanto as placas gráficas FirePro da AMD como as Quadro da Nvidia.


A P10S WS oferece portas HDMI, DisplayPort, DVI-D e VGA, e permite o uso de até três ecrãs em simultâneo. Conta ainda com a presença de oito portas SATA 6Gbps, dual M.2, portas USB 3.1 Type-A e Type-C, e da tecnologia USB 3.1 Boost, Digi+ VRMs (voltage-regulator module), e Beat Thermal Chokes III.


As novas motherboards P10S-M WS e P10S-M WS/IPMI-O suportam até três ecrãs e disponibilizam portas HDMI, DisplayPort e DVI-D. Oferecem ainda oito portas SATA 6Gbps, seis portas USB 3.0 e uma ligação M.2.

A P10S-M WS/IPMI-O partilha as funcionalidades da P10S-M WS, e adiciona mais capacidades de gestão remota através do módulo ASMB8-iKVM. Esta motherboard permite actualizações de BIOS remotas, SNMP agent support (MIB files), audit log, e códigos de BIOS POST.

As motherboards P10S WS, P10S-M WS e P10S-M WS/IPMI-O da Asus já estão disponíveis em Portugal com PVP recomendados desde 194,70 euros.

Via Asus.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Nvidia cria supercomputador para inteligência artificial

A criação de redes neuronais e de sistemas de inteligência artificial precisa de supercomputadores, capazes de realizar milhões de cálculos em simultâneo. A Nvidia anunciou que já tem uma máquina para esses fins.




O DGX-1 é um supercomputador com oito placas Tesla P100 com 16 GB de RAM cada uma e 7 TB de armazenamento para guardar todos os dados em bruto. O Tech Crunch avança que esta máquina já terá software de treino de redes neurais, embora haja a possibilidade para os investigadores usarem as suas próprias soluções.

Esta máquina visa ajudar os investigadores a criarem redes neuronais que simulam pensamentos como se fossem o cérebro humano. Estas redes olham para enormes conjuntos de dados e analisam as singularidades e diferenças a múltiplos níveis. Como resultado, é criado um sistema de consegue olhar rapidamente para imagens e objetos e fazer o devido reconhecimento.


O sistema desenvolvido pela Nvidia vai custar 129 mil dólares.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Microsoft publicou o Código fonte do Word e MS-DOS

O negócio da Microsoft foi construído, em parte, graças ao MS-DOS. Para quem não sabe ou já não se lembra, o MS-DOS apareceu na década de 1980, tendo resultado de um pedido da IBM, que na altura necessitava de um bom interpretador da linguagem BASIC. Nesse sentido, a Microsoft desenvolveu duas versões: o PC-DOS para os equipamentos da IBM e o MS-DOS para restantes marcas…tendo tido como base o 86-DOS.
Três decadas depois…a Microsoft disponibilizou o código fonte do MS DOS 1.1 e 2.0 e do Microsoft Word para Windows 1.1a.



Longe vão os tempos em que o MS-DOS era um sistema operativo sensacional, que cumpria aquilo a que se propunha. Passados 34 anos do lançamento do MS-DOS e 25 anos após o lançamento do Word , a Microsoft, em parceria com a Computer History Museum, anunciaram a disponibilização das primeiras versões do Word e MS-DOS.
De referir que o MS-DOS “nasceu” do 86-DOS, que foi desenvolvido por Tim Paterson da Seattle Computer Products. A Microsoft contratou Paterson em Maio de 1981 e comprou, em Julho, o 86-DOS 1.10 por “apenas” US $ 75.000, tendo posteriormente mudado o nome para MS-DOS.






Roy Levin, engenheiro da Microsoft e director da Microsoft Research referiu num post que:
“…É incrível pensar no crescimento desde aqueles dias em que a Microsoft tinha menos de 100 funcionários e um produto da empresa, o MS-DOS, tinha menos de 300KB (sim, kilobytes) de código-fonte. A partir dessas raízes, crescemos em poucas décadas e tornamo-nos uma empresa que tem mais de 200 milhões de licenças de Windows 8, e uma comunidade com mais de mil milhões de utilizadores que usam o Microsoft Office.
Grandes coisas vêm de origens modestas, e os futuros serviços e dispositivos da Microsoft também seguirão esse caminho, assim como o MS-DOS e Word for Windows fez…”
Quem quiser desde já descarregar o código fonte do Microsoft DOS v1.1 e V2.0 pode fazê-lo gratuitamente através do link disponibilizado em baixo.

Noticia por : http://pplware.sapo.pt/windows/microsoft-publicou-o-codigo-fonte-do-word-e-ms-dos/